ALOJAMENTO EXPERIMENTAL

Diferentes estudos exigem graus variados de controle ambiental e no número de animais para fornecer as respostas corretas. Assim, dois modos de alojamento são possíveis, isoladores ou alojamento comum:

Aves
Isoladores:

Essencial para a reprodutibilidade de experimentos e confiabilidade nos resultados, o Sistema de Isoladores Imunova se propõe ao controle de uma ampla gama de variáveis, como iluminação, temperatura, qualidade do ar e da água, e, principalmente, isolamento completo entre grupos em ensaios com agentes infecciosos (vacinais ou de desafio).


 

Alojamento comum:

Para avaliações imunes que requerem um número pequeno de animais, a Imunova conta com um espaço adequado para o alojamento de até 16 grupos contendo 11 aves de corte com 45 dias.

Para experimentos com um número maior de aves (até 5000), a Imunova conta com a parceria da Nu3 para o alojamento. Assim como para os outros modos de alojamento, nesta situação as coletas de amostras podem ser executadas para qualquer metodologia de análise.

Suínos

Para o experimento com suínos em fase inicial, a Imunova conta com a parceria do centro experimental da PUC-PR para o alojamento de até 36 baias com 3 animais cada. Nesse centro existe também o acesso para as coletas de amostras necessárias em qualquer protocolo.

Avaliações zootécnicas:

No acompanhamento dos experimentos, medidas como ganho de peso (individual ou por grupo/repetição) e conversão (grupo/repetição) podem ser associadas a outras medidas para explicar de forma ainda mais robusta os resultados observados.